informações gerais sobre mamíferosinformações gerais sobre répteisinformações sobre anfíbios em geralinformações e curiosidades sobre avesinformações gerais sobre insetostudo sobre aracnídeosanimais em ordem alfabética
Cabçalho da página sobre arraias, no site www.ninha.bio.br
www.ninha.bio.br
 
 

Arraias

As arraias são consideradas criaturas dóceis pela maioria dos especialistas, atacando apenas em autodefesa.
A maioria dos ferimentos causados por arraias nos humanos ocorre nos tornozelos ou nas panturrilhas, quando alguém acidentalmente pisa em uma arraia enterrada na areia, fazendo o peixe assustado levantar sua perigosa cauda.

 

Classificação

As raias, arraias ou peixes batóides são peixes cartilaginosos (Chondrichthyes) marinhos classificados na subclasse Elasmobranchii (a mesma dos tubarões), na superordem Bathoidea (ou Rajomorphii) .

As raias são muito próximas dos tubarões, do ponto de vista filogenético, de tal forma que são incluídos na mesma subclasse (Elasmobranchii), por isso a divisão entre raias e tubarões é meramente morfológica. No entanto, alguns autores decidiram agrupá-las na superordem Bathoidea.


arraia imensa

As fatalidades relacionadas com arraias (em humanos) são muito raras, porque o veneno da arraia não costuma ser fatal  (mas dói bastante).

O perigo é acontecer de o ferrão perfurar algum órgão.

 

Após anos de luta, o Brasil cria uma importante ferramenta para coibir a prática do Finning no Brasil.

Leia a notícia completa

 

arraia escondida na areia

Quando a arraia fica assim escondida na areia, é fácil se enganar e pisar nela....o que não é uma boa idéia.

arraia

 

Ataque da arraia

Quando uma arraia ataca, ela precisa estar de frente para a vítima porque a única coisa que faz é levantar sua longa cauda sobre seu corpo para atingir qualquer coisa que esteja a sua frente. A arraia não tem controle direto sobre o mecanismo do aguilhão, somente sobre a cauda. Na maioria dos casos, quando o aguilhão entra no corpo de uma pessoa, a pressão faz com que o revestimento protetor rasgue. Quando o revestimento rasga, os lados farpados e serrilhados do espinho penetram e o veneno entra na ferida.

O veneno de uma arraia não é necessariamente fatal, mas provoca muita dor. Ele é composto pelas enzimas 5-nucleotidase e fosfodiesterase e pelo neurotransmissor serotonina. A serotonina faz com que a musculatura lisa se contraia com força e é esse componente que torna o veneno tão doloroso. As enzimas provocam a morte de tecidos e de células. Se o veneno penetra em uma área como a do tornozelo, a ferida geralmente pode ser tratada. O calor neutraliza o veneno da arraia e limita a quantidade de danos que ele pode causar. Se a área não for tratada rapidamente, pode ser necessária a amputação. Se o veneno penetra no abdômen ou na cavidade torácica, porém, a morte do tecido pode ser fatal em razão dos importantes órgãos localizados ao redor.

Embora o veneno da arraia possa causar sérios danos, a parte mais destrutiva do mecanismo do aguilhão são as farpas no espinho. A ponta afiada do aguilhão penetra no corpo da pessoa facilmente, mas sua saída pode causar graves danos. Lembre-se de que as pontas das farpas ficam voltadas para a arraia. Mesmo que não houvesse veneno, puxar um espinho do peito ou do abdômen de um humano poderia ser o suficiente para causar a morte devido à quantidade de tecidos que são rasgados.

 

arraia grandona

Características

As raias têm o corpo achatado dorsiventralmente e, por consequência, as fendas branquiais encontram-se por baixo da cabeça – essa é a principal característica que distingue os peixes batóides dos "verdadeiros" tubarões.

Vivem normalmente no fundo do mar (demersais), embora algumas, como a jamanta, sejam pelágicas.

As raias "típicas" têm as barbatanas peitorais como uma extensão do corpo, de forma arredondada ou em losango, pelo que se refere ao seu corpo como o "disco". Podem considerar-se neste grupo, não só as verdadeiras raias (com pequenas barbatanas dorsais na extremidade da cauda), mas também os peixes-serra, os uges ou ratões (com um espinho venenoso na cauda), as raias eléctricas e os peixes-guitarra e mesmo os tubarões-anjos (embora estes tenham as fendas branquiais parcialmente dos lados do corpo).

 

arraia voando

Existe uma espécie de jamanta do Oceano Atlântico que consegue sair da água saltando, conhecida em Cabo Verde como "gavião-do-mar", em inglês como Lusitanian cownose ray e em espanhol, Gavilán lusitánico (Rhinoptera marginata).

Existe apenas umas família de raias que habitam água doce, principalmente em rios da América Central e América do Sul, a família Potamotrygonidae, cujos representantes têm também um espinho venenoso na cauda.cara da arraia

foto de arraia voando

Na foto ao lado e também na foto acima, a arraia consegue sair da água e " voar" por alguns metros.

Jáaconteceu de alguma cair exatamente dentro de um barco (imagina o susto).

arraia manta

 

 

Fotos de uma arraia manta tirada em um mergulho noturno.

 

 

arraias


Mesmo um movimento aparentemente sem esforço, como o gracioso deslizar de uma arraia pelo oceano, é resultado de mensagens complexas e rapidamente trocadas de um lado para o outro pelos seus circuitos nervosos.

arraia a noite

 

Enquanto uma arraia e cerca de 1,5 de comprimento nada, uma rede de nervos informa-lhe a posição de cada parte de seu corpo.

Os pontos acolchoados balançam de um lado para o outro, curvando os pêlos que enviam sinais para o sistema nervoso. A mensagem varia de acordo com a direção em que se curvaram os pêlos.

 

arraia em mergulho noturno

Agindo segundo a informação transmitida por esses órgãos sensoriais, o animal pode alterar seu curso e posição.

 

 

 

 
by   envie e-mail


Veja também:

Peixe-elétrico, peixe-gato, golfinho, boto, peixe-leão, moréia, peixe-borboleta, baiacú, peixes-siameses

Recuperação de imagens estragadas pelo tempo

Caso exista alguma foto aqui que seja sua, colocarei o crédito com o maior prazer. Caso não queira que seja exibida, substituirei por outra.
Para colaborar com textos e fotos, envie email para anamaria.ninha@gmail.com

animais fora de controleanimais desconhecidosPlaneta TerraSeres HumanosNotícias biológicasAnimais que vivem na terraAnimais que vivem na água
Política de Privacidade
 

 

ir pra a página principal do site