informações gerais sobre mamíferosinformações gerais sobre répteisinformações sobre anfíbios em geralinformações e curiosidades sobre avesinformações gerais sobre insetostudo sobre aracnídeosanimais em ordem alfabética
Página sobre babuínos no site www.ninha.bio.br
PESQUISE NESTE SITE:

www.ninha.bio.br
 
 

Babuinos

Os babuínos habitam as savanas africanas e asiáticas em bandos cuja organização varia de uma espécie para outra.   
Vivem principalmente no chão.
Os babuínos podem correr velozmente e, em geral, buscam abrigo quando perseguidos por predadores.


A superioridade do babuíno

Para o babuíno macho cor de oliva a vida é uma constante luta por status, pois os machos do bando possuem o monopólio das oportunidades de procriação.

Um macho jovem sobe na hierarquia do bando expulsando os mais velhos, lutando e mostrando seus caninos aterrorizantes.

À medida que ele fica mais velho e forte, sobe imediatamentede status, até chegar ao auge na meia idade. Daí por diante, sua força diminui e ele começa a baixar de status.

babuino amarelobabuino amarelo no Zoo do Rio de Janeiro

babuíno amarelo
Entretanto, os babuínos jovens não são inteiramente desprezados. Em geral os machos com qualquer status podem copular sem dificuldade, mas, quando há oportunidade de terem filhotes, o status torna-se importante.

Quando a fêmea é receptiva, o macho dominante tem prazer em deixar qualquer outro macho copular com ela. Mas, quando ela começa a ovular, o macho guarda-a para que somente ele seja o pai de todos os seus filhotes.

As fêmeas dão as ordens na família dos babuínos

A sociedade dos babuínos mantém-se unida através da amizade entre as fêmeas e seu relacionamento com os filhotes e os machos adultos. Um bando de babuínos consiste de grupos de fêmeas aparentadas. A mais velha tem o maior status, e é em torno dela que as outras se reúnem para descansar, cuidar umas das outras e dormir.

Embora as fêmeas mantenham-se no grupo em que nasceram, misturam-se e brincam com fêmeas de outros grupos.

A entrada do macho nessa sociedade só ocorre depois de árduo trabalho, pois os machos adultos que buscam uma companheira têm de enfrentar uma forte rede de fêmeas aparentadas e amigas.

Esse processo prolongado começa com o macho fazendo amizade de forma lenta e cuidadosa com apenas uma fêmea do bando.

Veja mais:

família de babuínos

Ele aproxima-se fazendo gestos amistosos e, depois de meses de persistência e paciência, finalmente chega perto o suficiente para fazer-lhe carícias.

Depois que o babuíno macho aproxima-se da fêmea, tem passe livre para fazer amizade com suas parentes, o que normalmente resulta no seu acasalamento com uma ou mais delas.

As fêmeas que engravidam ou que estão amamentando geralmente criam amizades especiais com uns três machos adultos, mantendo-se perto deles quando buscam comida e quando descansam de dia ou dormem à noite.

Às vezes, os machos defendem as fêmeas ou seus filhotes de outros membros do bando.

Dissimulação

Em uma tropa, um babuíno adolescente foi observado perturbando um outro muito jovem, e foi perseguido por um grupo de mais velhos.

De repente, o patife parou de correr e ficou de pé nas patas traseiras, olhando para a frente como se tivesse visto um predador se aproximar.

Os atacantes pararam imediatamente para ver o que estava acontecendo e, quando concluíram que não havia nada de errado, a raiva deles tinha diminuído.

 

babuínos


Comportamentos como esse mostram a fraqueza da sociedade estruturada dos primatas (homens, símios e macacos). Se todos fossem desonestos, a sociedade se desintegraria. Por outro lado, verificar a verdade de tudo consumiria muito tempo. Presumir que todos se comportam honestamente poupa muito tempo, mas possibilita que trapaceiros ocasionais lucrem à custas de outros.

Os pesquisadores que estudam o comportamento de primatas concordam que em um grupo íntimo, baseado em fortes laços familiares, ocorrem menos dissimulações. Isso acontece com gorilas, gibões, sagúis-pirangas e saguis, que vivem em grupos familiares grandes.

Entretanto, chimpanzés e babuínos vivem em grupos que mudam constantemente com a saída e a adesão de alguns animais. Portanto, o grau de familiaridade entre os animais tende a ser mais baixo, e os indivíduos passam a não se conhecer tão bem para poderem prever uma traição.

A contra-dissimulação, onde o animal adivinha a trama do outro e o ludibria, indica que símios e macacos são capazes de perceber o ponto de vista do outro.

Foi observada uma fêmea de babuíno atrás de uma pedra, escondendo as mãos e seu companheiro jovem da vista do macno dominante da tropa. Ela parecia ter calculado que naquela posição, o macho dominante só poderia ver sua cabeça e ombros.

Os cientistas que estudam comportamento, fazem experiências com babuínos em cativeiro. Eles retiram o macho dominante do grupo e colocam-no em uma jaula à parte, onde ele não é visto mas é ouvido pelos outros do grupo.

Quando ele vai embora, uma fêmea copula com um macho subordinado, mas o casal suprime os ruídos normais que essa espécie emite quanto atinge o clímax.

catando pulguinha modelagem 3d

carona da mamãe babuína

Linguagem corporal

Os babuínos das savanas, da África Oriental, também usam a linguagem corporal em suas grandes comunidades de mais de 100 membros. Mas suas sociedades baseiam-se na hierarquia das fêmeas.

A mais velha é geralmente a mais importante, e suas filhas têm status mais elevado que as outras fêmeas. Embora os machos sejam maiores e mais fortes, só conquistam algum status estabelecendo amizade com as fêmeas importantes.

Para ascenderem socialmente, os machos têm de ganhar as boas graças delas.
O babuíno macho usa inúmeras linguagens corporais para fazer amigos.

Ao aproximar-se de uma fêmea, dá um passo para trás, mantém a cauda ereta e exibe uma cara de medo e, ao mesmo tempo, um sorriso ansioso.

Para avisar que sua aproximação é amistosa, ele joga beijos. Depois, se ela permitir, penteia o pêlo da amiga.

Se outro macho intrometer-se durante suas investidas, ele dá um grande bocejo, deixando entrever os perversos dentes caninos.

Mas se o intruso for grande demais, ele se vira e mostra a bunda num gesto de submissão.

babuínos brigando

Os macacos conseguem exprimir agressividade, submissão e alarme com um rico repertório de gritos, expressões e linguagem corporal.

Os babuínos da Etiópia têm longos caninos mas tendem a decidir suas brigas com olhares zangados e batendo no chão.

O perdedor mostra submissão expondo os dentes e as gengivas rosadas como um "sorriso de medo"

macaco babuino comendo um animal

Babuínos são onívoros (como o homem), o babuíno ao lado está alimentando-se de carne.

Os cinocéfalos

O vocábulo, que é empregado desde o tempo de Aristóteles, foi atribuído a esses Primatas em virtude da forma peculiar de sua face, cujo rostro é alongado como o dos cães. (Cinocéfalo vem do grego antigo kyon, kynós, cão, e kephalé, cabeça.) Depois dos antropóides, são eles os Primatas mais fortes, exibindo um corpo maciço e excepcionalmente musculoso.
Sua dentição lembra a dos carnívoros pela presença de caninos longos e agudos. A expressão dos olhos refle te seu caráter irritadiço e desconfiado.
Os membros são curtos mas robustos. A cauda pode ser longa ou curta, recoberta de pêlos muito unidos, que podem, na extremidade da mesma, formar um tufo. As bolsas jugais são dilatadas. Os calos ciáticos são em geral coloridos.

Os cinocéfalos, que vivem na África, ao sul do Saara, podem ser considerados como os macacos mais típicos do habitat rupícola, isto é, dos terrenos rochosos. Poucas espécies vivem nas florestas. Destas, os indivíduos são muito ágeis e não hesitam em escalar as encostas das montanhas até altitudes superiores a três mil metros, por vezes até o limite das neves eternas. Preferem, entretanto, as regiões mais baixas, entre mil e dois mil metros. Alimentam-se preferentemente de bulbos, tubérculos, gramíneas, frutos, insetos, ovos e pequenos vertebrados.

Mais que qualquer outro Primata, seu comportamento revela forte tendência para a vida terrícola. A própria estrutura de seu corpo os liga ao solo. Superficialmente, assemelham-se a um cão de grande porte. Quando se elevam nos membros posteriores, têm o hábito de apoiar-se no solo com uma das mãos, a fim de manter o equilíbrio; avançam com passadas medidas toda vez que se deslocam sem pressa, e, se percebem que estão sendo seguidos, põem-se a correr, galopando de maneira característica.

Seu talento para a imitação e sua organização social os colocam em posição de destaque entre os Primatas. Pressentem o perigo a distância e combatem seus predadores com coragem.

Os cinocéfalos, em estado natural, evitam a presença do homem. Só o atacam se se sentem ameaçados. Temem os leões, os leopardos, além das serpentes. Não se importam com os escorpiões, cujo aguilhão arrancam, antes de os devorar.
Aparecem como personagens em várias lendas muçulmanas. A afirmação do Profeta, de que Alá em sua cólera teria transformado o homem em macaco, em geral faz alusão aos cinocéfalos.

macaco bravo

Olhar fixo e berros podem desencadear uma luta

Contato visual é a primeira parte de um conflito entre babuínos, iniciado quando dois machos se olham ameaçadoramente à distância e começam a berrar.

Depois eles se aproximam, ainda olhando-se de frente e curvando os ombros. Gritando com excitação, intensificam esses sinais batendo com as patas no chão e investindo um contra o outro.

Se esse comportamento não intimidar um deles, os dois começam a lutar para valer, ferindo-se com seus formidáveis caninos.

 

babuíno amarelo

O babuino amarelo

O babuíno-amarelo (Papio cynocephalus) vive do norte de Angola e Moçambique até o Quênia oriental e o sudoeste da Somália. Caracteriza-se por possuir os membros alongados e as bochechas esbranquiçadas, que se destacam na face negra.

Três subespécies são reconhecidas.

Os babuínos-amarelos pertencem ao grupo de espécies que se caracteriza por constituir bandos formados por vários machos acompanhados de fêmeas e jovens.

Terrícolas por excelência, o único predador que os ameaça e a pantera, que não se atreve a enfrentar um bando, mas, vez por outra, consegue agarrar um filhote.

Os nativos não manifestam qualquer interesse por eles, contentando-se em capturar um ou outro jovem para criar como xerimbabo (animal de estimação).

Estes animais preferem estabelecer-se nas encostas pedregosas e paredões rochosos, de onde descem às planícies em busca de água.

Não temem o homem, mas evitam aproximar-se dos lugares onde sofreram experiências desagradáveis.

Basicamente vegetarianos, sua dieta varia com as possibilidades locais e completa-se com insetos e vertebrados.

 

grupo de babuinos próximo ao rio

Os babuínos fêmeas com grau de parentesco vivem juntos em grupos coesos.

Para os machos serem aceitos no grupo e terem permissão para escolherem a fêmea para acasalar, tem de provar que são, antes de tudo, bons amigos.

Alguns babuínos dividem cavernas com morcegos, para dormir em segurança, longe dos grandes felinos.

bando de babuínos caçando

Os babuínos enfrentam o ataque em formação de batalha

Os leopardos são uns dos maiores inimigos dos babuínos. Eles caçam furtivamente e, em geral, tentam pular sobre a presa antes que o bando forme a linha de batalha.
Quando os babuínos das planícies africanas se deparam com um leopardo ameaçador em campo aberto, não têm vergonha de fugir, se puderem. Mas, se não tiverem chance, usam uma tática de formação de "retirada".
Os machos dominantes do bando, do tamanho de cachorros grandes, arreganham os dentes de forma ameaçadora e posicionam-se entre o predador e as fêmeas e os filhotes. Até mesmo predadores ferozes como os leopardos fogem dos braços musculosos de um babuíno adulto macho.
Quando atravessam uma área aberta, esses macacos geralmente andam em formação — as fêmeas e os filhotes no centro e os machos mais fortes em volta. Os machos de status inferior vão na frente e cuidam da retaguarda.

 

filhote de babuino roubando um ovo de avestruz

 

 

Os ovos de avestruz são um excelente refeição. Um jovem babuíno corre o risco de ser ferido ou morto pelos pais da ave só para pegar o ovo.

 

mamãe babuíno e seu filhote

Olhando a foto ao lado, até parece que ela está falando - Não meche no meu bebê!

Sinais de sofrimento

Parece provável que alguns símios e macacos compreendam realmente a morte.

Washoe era uma chimpanzé em cativeiro treinada na América na década de 1960 para aprender a linguagem dos sinais.

Ela deu à luz um bebê que ficou doente e morreu em um hospital para animais. Quando seus treinadores voltaram, Washoe perguntou "Onde está bebê?".

Eles responderam "Bebê acabou". Washoe entrou imediatamente em depressão profunda e sentou encolhida em um canto se recusando a se comunicar.

Mesmo símios e macacos em liberdade dão sinais de tristeza quando um parente próximo morre.

Um mãe babuína jovem que perde o bebê recém-nascido quase sempre carrega o corpo por volta de uma semana, afastando cuidadosamente moscas e arrumando-lhe o pêlo.

A morte de um animal que vive em grupo pode causar mudanças profundas na organização do mesmo.

Alguns indivíduos sobem uma etapa na hierarquia das responsabilidades ao preencher a lacuna deixada pelo animal morto, e outros perdem um valioso aliado.

 

 

subindo na árvore

A vida do babuíno

Habitando savanas, pastagens semidesertas, flolestas e montanhas, os babuínos são um dos grupos mais conhecidos dos chamados macacos do Velho Mundo.
É possível também encontrar algumas de suas cinco espécies em desertos e no litoral da África.
Podem chegar aos 40 anos.

Estão entre aqueles macacos que têm alimentação onívora. Ou seja, comem de tudo: frutas, gramíneas, raízes, sementes, ovos, insetos, pássaros, pequenos antílopes e até outros macacos.

Os babuínos formam grupos de 30 a 60 integrantes, que são muito agressivos: não hesitam em mostrar os dentes para atacar ou se defender. Em geral, um macho adulto domina uma sociedade de fêmeas.

São os macacos mais adaptados à vida terrestre, com grande facilidade para ficar em duas patas e vistoriar a paisagem. Dispõem de um olfato muito desenvolvido e, entre outras capacidades, conseguem diferenciar cores.

 

babuíno

O período de gestação é de cerca de seis meses, normalmente com a geração de um único filhote.

Após o nascimento, as fêmeas cuidam de suas crias, fornecendo alimentos e protegendo do ataque de predadores.

O filhote costuma andar agarrado ao ventre da mãe. Essa postura é bastante apropriada porque permite à mãe se locomover enquanto amamenta o pequeno babuíno. À medida que cresce, esse macaco adquire relativa autonomia, mas sempre controlado a distância pela mãe.

Nesse período, os filhotes ainda são aceitos no grupo pelos machos adultos. Essa tolerância perdura enquanto mantiverem o chamado "pêlo de bebê", que tem tonalidade mais escura do que a pelagem do adulto. Quando o filhote perde essa "protecão" do pêlo, as fêmeas retomam seu lugar na base da hierarquia do grupo, e os jovens babuínos devem buscar o próprio caminho - muitas vezes, têm de garantir seu espaço lutando com outros jovens machos.

Gelada


Geladas


Theropithecus gelada, encontrado na Etiópia, distingue-se dos babuínos por
ter a face em forma de um 8. Possui uma área nua no peito, cor de carne, que nas fêmeas é circundada por verrugas brancas.

De hábitos pouco conhecidos, sabe-se que os geladas vivem no alto das encostas rochosas da Etiópia, entre 2.000 e 4.000 m de altitude.

À noite, reúnem-se em bandos muito numerosos de 300 ou 400 indivíduos, escolhendo as pequenas plataformas na face da rocha para dormir. Provavelmente nunca subam em árvores.

macaco carnívoro

 

Babuíno-sagrado

O gênero Papio reúne as cinco espécies e onze subespécies de babuínos.

Assemelham-se ao mandril no tamanho, sendo os machos muito maiores que as fêmeas na construção maciça e na postura quadrúpede.

Têm hábitos onívoros, mas a carne faz parte de sua dieta normal. Comem lebres e pequenas gazelas, mas folhas, gramíneas, raízes e frutos são também muito apreciados por eles.

Quanto à organização social dos bandos, Papio hamadryas, o babuíno-sagrado, constitui haréns, onde os grupos são formados por um macho acompanhado de uma a quatro fêmeas mais os filhos.

A disciplina é mantida de maneira rígida, e o macho castiga as desobediências com uma dentada aplicada na base do pescoço.

À noite, vários grupos costumam reunir-se em encostas ou paredões de rocha, separando-se ao amanhecer.

O babuíno-sagrado, ou hamadríade, vive na região oriental da Etiópia, norte da Somália, sudoeste da Arábia, estendendo-se para a Ásia até o lêmen e o Adem.

Prefere as regiões montanhosas, cobertas de vegetação abundante, próximo à água. Às vezes são encontrados bandos nos bordos do deserto de Saara e nas costas áridas do mar.

Os machos adultos são facilmente reconhecíveis pelo porte e pelos longos pêlos que lhes cobre a parte anterior do corpo.

As fêmeas e os jovens possuem pelagem curta, de coloração mais escura.

No conjunto, seu colorido é cinza azulado. A face nua é cor de carne, ao contrário da dos demais babuínos, que é negra. As coxas são escarlates.

Quando capturados ainda jovens, tornam-se dóceis e apegados ao dono, cordiais com as visitas e bons companheiros de outros macacos.

Entretanto, como acontece com os demais cinocéfalos, com o passar do tempo tornam-se irritadiços, desconfiados e perigosos.


babuíno sagrado próximo a uma rocha

O babuíno-sagrado desempenha um papel de destaque na mitologia do antigo Egito. Os macacos eram utilizados como animais domésticos na tarefa de colher frutos, especialmente figos, como se vê gravado no túmulo de Beni Has-sam.

Os egípcios viviam obcecados pela ideia da vida após a morte, e os sepultamentos humanos eram cercados de preparativos para a viagem no além-túmulo que envolviam a figura do deus-macaco, o babuíno.

Hapi era representado geralmente por uma figura humana com cabeça de macaco: era uma das quatro divindades que protegiam o morto quando este comparecia ao julgamento de Osíris.

Durante o embalsamamento de um rei ou sacerdote, os intestinos eram removidos e distribuídos por quatro recipientes cujas tampas traziam esculpidas (em geral em alabastro) as cabeças das quatro divindades.

O intestino delgado ia para Hapi, e era colocado no que tinha a cabeça do babuíno-sagrado.

Os babuínos eram tratados da mesma maneira quando morriam. Como agentes do deus Thot, uma de suas atribuições era guardar as almas dos maus e, com a ajuda de chicotes, conduzi-las ao castigo.

Entretanto, não tomavam parte no ato do julgamento, como acontece com outro deus-babuíno, Gbekre, de uma tribo da Costa do Marfim.

babuino_sagradobabuino da guiné

babuíno sagrado

 
by   envie e-mail
 
Recuperação de imagens estragadas pelo tempo

Caso exista alguma foto aqui que seja sua, colocarei o crédito com o maior prazer. Caso não queira que seja exibida, substituirei por outra.
Para colaborar com textos e fotos, envie email para anamaria.ninha@gmail.com.

animais fora de controleanimais desconhecidosPlaneta TerraSeres HumanosNotícias biológicasAnimais que vivem na terraAnimais que vivem na água
Política de Privacidade
 

 

ir pra a página principal do site