informações gerais sobre mamíferosinformações gerais sobre répteisinformações sobre anfíbios em geralinformações e curiosidades sobre avesinformações gerais sobre insetostudo sobre aracnídeosanimais em ordem alfabética
Página sobre borboletas, no site www.ninha.bio.br
www.ninha.bio.br
 
 

Borboletas

As borboletas são insetos da ordem Lepidoptera classificados nas famílias Hesperioidea e Papilionoidea.  

As borboletas têm dois pares de asas cobertas de escamas e uma tromba que se desenrola para sugar o alimento.
São importantes polinizadores de diversas espécies de plantas.

Metamorfose

Inúmeros insetos passam pela metamorfose, antes de alcançarem a forma adulta. Ao sair do ovo, a larva quase não caminha.
Come muito, cresce. Depois se modifica, cria asas, vira adulto.
Mas a mudança não se opera só na aparência externa do inseto: modificam-se também seus hábitos, o meio de vida, a alimentação.
É uma transformação global, que atinge toda a sua estrutura interna.
Assim se desenvolvem os insetos que sofrem metamorfose completa, isto é, os insetos holometábolos.

modelagem 3d

close na borboleta

Experimentando com os pés

Os insetos precisam do paladar para identificar o que é comida e o que lhes faz mal.

Muitos têm células sensíveis ao paladar localizadas em volta da boca e outros têm sensores nos pés que lhes permitem identificar a superfície onde estão.

Os sensores dos pés são cruciais para as borboletas, que precisam garantir o depósito dos ovos na planta correta para sua espécie.

A boca da borboleta não consegue provar e testar folhas, pois é adaptada apenas para alimentar-se de néctar e sumos.

borboletas brancas

borboleta-branca do repolho

 

 

Repare que elas tem uma "trombinha" no lugar da boca.

Quando encontram comida, desenrolam esta tromba e sugam o néctar.

Se você pegar uma borboleta e colocá-la sobre uma colher de água com açúcar e esperar ela desenrolar esta trombinha, aí pode soltar e andar pela casa com a borboleta na colher, pois ela só irá embora quando estiver satisfeita e isso pode demorar um pouco.

larva da borboleta branca do repolho

 

As lagartas da borboleta branca de repolho (ao lado) saem dos ovos e alimentam-se das folhas até estarem prontas para se transformar em borboletas (acima).

As borboletas geralmente alimentam-se de néctar, mas suas larvas (as lagartas) comem folhas.

A lagarta que sai do ovo é muito pequena para procurar comida, por isso a mãe põe ovos numa planta adequada.

Ela testa as folhas "provando-as" com seus sensores nos pés e nas antenas.

lagartas da borboleta branca de repolho

 

Mais:

acasalando enquanto  ainda está com as asas molhadas do casulo

 

Sem perca de tempo

A borboleta Helíconius macho não perde tempo, acasala com a fêmea assim que ela sai do casulo, quando ainda está com as asas amassadas das crisálidas.

Durante o acasalamento, a borboleta Heliconius macho transmite um odor para a fêmea que faz com que ela cheire como os machos, afastando outros pretendentes.

As fêmeas armazenam essa secreção por três meses, sugerindo que o fato de não estarem atraentes possa lhes trazer vantagem.

Talvez as livre das atenções dos machos, deixando-as livres para gastar mais tempo se alimentando e desempenhando sua função de botar ovos.

borboleta branca e preta

borboleta listrada de preto e branco posada numa flor cor de rosa

Há numerosas espécies de borboletas heliconinas na América. Assim como a maioria das borboletas e mariposas, elas também têm plantas preferidas para botarem seus ovos, onde tenha bastante alimento para as lagartas quando os ovos se abrirem.

As borboletas heliconinas sempre põem ovos nas flores de maracujá, pois as suas lagartas comem folhas de maracujá.

Como a lagarta passa todo o tempo na mesma planta até ficar adulta, a borboleta fêmea faz antes uma inspeção detalhada para certificar-se de não haver outros ovos na mesma folha. Ovos demais em uma mesma planta significa que, antes que as lagartas se transformem em borboletas, a comida terá acabado. Logo, se houver outros ovos, a fêmea vai procurar outra planta.


Algumas flores de maracujá parecem ter desenvolvido um mecanismo para tirar partido disso. Para evitar que sejam comidas por lagartas, as flores produzem seus próprios ovos falsos, umas manchas de tecido amarelo. Parecem-se tanto com ovos de borboletas heliconinas que as fêmeas as deixam de lado e escolhem outras.

borboleta pousada na flor amarela

Existe alguma espécie de borboleta venenosa?

Até onde eu saiba não existe uma espécie peçonhenta de borboleta ou mariposa (na fase adulta).
Tóxica, sim, muitas.

Não dá, por exemplo, pra segurar na asa dela e depois passar a mão nos olhos(elas têm escamas minúsculas que se soltam ao toque e que podem causar irritação a membranas sensíveis como as dos olhos).
Não dá pra comer a maioria das mariposas (crianças muito pequenas podem ter essa ideia).
Para as pessoas alérgicas, a simples presença pode ser sim, um problema, em menor ou maior grau, conforme o nível alérgico da pessoa. A alergia a borboletas é bastante rara.

Quando ainda lagartas, algumas poucas podem ser danosas (possuem pelos urticantes, que podem causar queimaduras).

A lagarta da borboleta monarca, quando nasce em uma flor chamada asclépia (uma planta venenosa), pode acumular o veneno no corpo, e ser muito perigosa para quem tem animais domésticos e crianças que tenham a infeliz ideia de comê-las.

lagarta da borboleta monarca

Borboleta monarca


As borboletas-monarcas deram um passo além da imunidade ao veneno: elas estocam e reciclam veneno.

Colocam os ovos nas folhas venenosas da asclépia, e as lagartas alimentam-se delas.

Isso lhes garante que a comida será só dela, pois é venenosa para outros, e também as defendem de seus predadores.

fases da metamorfose

 

Suas listras pretas, amarelas e brancas ou azuis funcionam como um aviso aos pássaros que procuram alimento, como se dissessem, não me coma - sou venenosa..

Quando as lagartas se transformam em borboletas, o veneno continua potente.

Lembrando que veneno é uma coisa, peçonha é outra.

A monarca é venenosa - se for ingerida pode fazer mal.

Mas a borboleta monarca não é peçonhenta - não pica, não tem órgão inoculador de veneno - nenhuma borboleta tem.

linda borboleta branca e amarela

Ovos de borboleta

Os ovos dos insetos são geralmente pequenos, têm formas e cores variadas, e em sua grande maioria possuem um envoltório resistente, que garante a sobrevivência do ovo nas estações mais frias do ano (casca).

No interior do ovo, existe uma célula microscópica, a célula-ovo (se fosse um ovo de galinha seria a gema), envolta em substância nutritiva (se fossem ovos de galinha seria a clara).

A célula-ovo multiplica-se, origina o embrião, que se alimenta daquela substância. A formação e o aperfeiçoamento dos diferentes órgãos e aparelhos se fazem muito rapidamente e o embrião atinge seu tamanho máximo, dobrando-se em forma de U.

É quando o ovo muda de tonalidade, sinal de que a larva está prestes a sair.

Começa então a metamorfose propriamente dita: meia-metamorfose, ou completa, conforme o caso.

Antes de transformar-se em crisálida, a larva muda de pele várias vezes. As vezes as cores também vão mudando, conforme trocam de pele.

 

centenas de borboletas monarca na mesma árvore

A grande viagem das borboletas monarca

Como milhões de borboletas monarcas encontram anualmente seu caminho pela América do Norte é um mistério.

Nenhuma delas jamais fez a jornada antes e nenhuma borboleta vive o suficiente para voar os 3.200krn da viagem de ida e volta.

As monarcas amadurecem como larvas, durante a primavera e o começo do verão, e alimentam-se de asclépia por todo o norte dos Estados Unidos e sul do Canadá.

Mas no final do verão, já transformadas em borboletas, elas reunem-se em grandes bandos e dirigem-se para o sul.

borboleta monarca

 

Descansando à noite em árvores, de dia as monarcas voam a altitudes de até 110m, geralmente percorrendo cerca de 130km por dia.

Às vezes param para sugar néctar de flores, mas também usam a gordura de seu próprio corpo para voar sem parar durante mais de 100 horas.

Quando chegam à Califórnia, ao México ou à Flórida, essas borboletas estabelecem-se em certas árvores, que são usadas todos os anos por elas.

ficam nessas árvores durante todo o inverno, em estado de semi-hibernação, cobrindo os galhos e troncos das "árvores de Borboleta" com uma massa de asas cor-de-laranja e pretas (Como na foto acima).

Ao lado toda a beleza de uma borboleta monarca.

ilustracao da borboleta monarca

Não se sabe ao certo como elas encontram as árvores - talvez pelo cheiro deixado pelas gerações anteriores de borboletas, que estiveram lá um ano antes.

Na primavera, as monarcas seguem para o norte.

As fêmeas põem ovos ao longo do caminho e morrem, e até três gerações podem nascer dos ovos e chegar ao Canadá no outono.

PESQUISE NESTE SITE:
borboleta preta e vermelha

Garantindo a paternidade

Os machos das borboletas-apolo desenvolveram um outro método de garantir a paternidade, introduzindo um grande número de espermatozóides acéfalos(sem cabeça) junto aos normais.

Os acéfalos têm como única função ocupar espaço no trato reprodutivo da fêmea, não deixando, assim, espaço livre para o esperma de outros machos.

O macho que acasalou anteriormente com ela cria uma segunda defesa, liberando uma secreção que funciona temporariamente como um tampão (como uma cola), protegendo o conteúdo que está dentro da fêmea.

borboleta colorida pousada nas flores

borboletas amarelas

 

A maioria das borboletas, como a amarela pálida do leste, conta com a visão para encontrar o macho.

As borboletas, por serem insetos voadores diurnos, não necessitam da ajuda da trilha aromática, pois contam com a visão para encontrar sua companheira. Quando o macho vê uma fêmea apropriada, persegue-a com repetidos mergulhos.

borboleta colorida

Embora os macnos não sigam uma trilha aromática para encontrar fêmeas, alguns deles, inclusive as monarcas, pierídeas e fritilárias, utilizam um feromônio afrodisíaco para atrair as fêmeas para o acasalamento.

Os machos de borboletas rainhas norte americanas levam esse afrodisíaco em feixes com pentes bem finos, que elas puxam do abdômen quando estimuladas sexualmente.

Esses feixes são distribuídos em diversos pentes que dispersam o odor do macho no ar, estimulando a fêmea a parar de voar e aquietar-se para o macho poder acasalar com ela.

asas transparentes

 

 

borboleta branca


fim da metamorfose

Borboleta pousada no tronco de uma araucária

Borboleta pousada no tronco de uma araucária (pinheiro brasileiro), na serra de Santa Catarina.

 

Os ovos de borboletas são postos geralmente sobre um lugar que serve, mais tarde, como alimento para as larvas que deles sairão.

borboleta bem de perto

Sequência de fotos mostrando uma borboleta saindo do casulo

 

A sequência de fotos abaixo, mostra todo o processo da saída da borboleta do casulo, a parte final da sua metamorfose.

As fotos foram cedidas por Kilson Santos, que tem um blog apaixonante, pra quem gosta de fotos de animais, como eu gosto.

Ao lado, detalhe de uma das fotos abaixo, mostra a borboleta ainda molhada, começando a sair do casulo, em close.

sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
sequência - borboleta saindo do casulo
borboleta aquática

Borboleta aquática

Classe: Insetos
Ordem: Lepidópteros
Família: Piralídeos
Gênero e espécie: Nymphula nymphaeata

Em cada movimento das asas brilham os claros reflexos das áreas prateadas. Suavemente, a borboleta pousa na água parada e mergulha alguns centímetros. Na superfície impermeável do corpo permanecem aderidos cordões de bolhas de ar, que forçariam a flutuação, se o bichinho não se segurasse com força à folha submersa, com os ganchinhos das patas.
Na folha ela põe seus ovos e logo volta à superfície, e logo depois está voando novamente.

Na forma adulta, a borboleta-aquática sobrevive apenas por algumas semanas.
Enquanto isso, dos ovos incubados nascem minúsculas larvinhas, que vão logo escavar galerias na folha (larvas de borboleta quase sempre se alimentam de grandes plantas).

À medida que cavam essas tocas, quase invisíveis a olho nu, as larvas vão liberando o ar que todas as plantas armazenam em bolhas microscópicas, nos interstícios das fibras. Embora respirem pela pele, as larvas precisam de oxigênio, como todos os metazoários.

Mais tarde, as larvas já não cabem em suas tocas vegetais e começam a recortar as folhas, para construírem abrigos mais elaborados, em forma de cilindro ou de concha, colada com a seda que elas fiam.

As larvas da borboleta-aquática, que vive no Brasil, constróem um tipo de abrigo com dois compartimentos, separados por uma parede móvel, de seda.

ovos de borboleta aquáticaovos de borboleta aquática

Num dos compartimentos, cheio de água, elas ficam enquanto são larvas. Depois, já na forma de crisálida, elas passam para o outro compartimento, cheio de ar, e aí completam seu desenvolvimento.
Depois que abandonam o estágio de larva, as ninfas ou crisálidas estão sempre em abrigos cheios de ar, mesmo que estes permaneçam submersos. É que nessa fase já estão desenvolvidos os órgãos respiratórios. Além disso, quando atingirem a forma adulta, as borboletas subirão diretamente para a superfície com o impulso do ar grudado a suas asas e patas.
Para os agricultores é uma praga do arrozal (arroz inundado), e pra combater eles criam carpas, que comem as larvas.

 
by   envie e-mail
 
Desenhos animados e retrospectivas para casamento
desenhos animados para casamento

Caso exista alguma foto aqui que seja sua, colocarei o crédito com o maior prazer. Caso não queira que seja exibida, substituirei por outra.
Para colaborar com textos e fotos, envie email para anamaria.ninha@gmail.com.

animais fora de controleanimais desconhecidosPlaneta TerraSeres HumanosNotícias biológicasAnimais que vivem na terraAnimais que vivem na água
Política de Privacidade